Maquetes de Célula

Solicitei aos meus alunos da 7ª série da Escola Riachuelo em Capão da Canoa, que fizessem maquetes de célula com suas organelas,  os resultados foram estes:




Os materiais utilizados foram: Isopor, masinhas de modelar, gel, gelatina.

Professores, podem pedir trabalhos utilizando isopor, pois alguns ecochatos acham que o isopor é  poluente, ou material "não sustentável", acho graça disso.

EPS é a sigla internacional do Poliestireno Expandido, produto, no Brasil, conhecido como “Isopor”. Trata-se de um plástico celular rígido, resultante da polimerização do estireno em água, descoberto em 1949 pelos químicos Fritz Stastny e Karl Buchholz nos laboratórios da Basf, na Alemanha.

O material é tido como “amigável” ao meio ambiente, por várias razões.
O isolamento térmico apropriado com EPS contribui para a redução das necessidades energéticas dos prédios, e, portanto, pode reduzir as emissões de CO² em até 50%.

Em segundo lugar, os produtos em EPS não contém e nunca contiveram CFCs ou HCFCs, gases responsáveis pela deterioração gradual da camada de ozônio.

Terceiro, como o material é muito leve, altamente resistente à compressão e a choques, de manipulação fácil e segura, ganhou status de proteção ideal para produtos durante o transporte. Não causa excesso de peso e, com isso, contribui para a redução do consumo de combustível.

O material é inerte e inócuo, o que tornou-o também propício a embalar alimentos.

Por tudo isso, o isopor associou-se à vida contemporânea de modo irreversível. Descartado no meio ambiente, não contamina água, solo ou ar – embora registre-se, como saldo dessa negligência, a poluição visual. 

O que pouca gente sabe é que o isopor é 100% reciclável, desconhecimento que termina por relegar matéria-prima preciosa ao lixo comum.
Portanto algumas pessoas tem que se informar, antes de sair falando bobagem por ai.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A nova mansão do All Gore- Paga pelo aquecimento global

Terra Primitiva