terça-feira, 31 de julho de 2012

Julho Gelado

Como já estava se desenhando, julho termina com uma das médias de temperatura mais baixas dos últimos anos.
O frio foi excepcional na Argentina nesta segunda-feira. A mínima no país foi de 12,2ºC negativos em Maquinchao, localidade da província de Rio Negro que com frequência tem as menores marcas do território argentino. O dado mais impressionante, entretanto, foi anotado na província de Buenos Aires. O Aeroporto da cidade de Tandil acusou uma mínima de 10,6ºC abaixo de zero, mais frio que os 10ºC negativos de Bariloche. Apesar do valor excepcional, não se trata de um recorde para Tandil. A cidade registrou 11,6ºC no inverno de 1995. Também na província de Buenos Aires, a localidade de Azul anotou 8,6ºC negativos. Mar del Plata, na beira da praia, teve 4,6ºC negativos.


                                        Mapa com mínimas registradas em estações convencionais


Não consideramos que haja climatologia histórica média fidedigna à realidade nos dias de hoje que permita informar com razoável precisão o número médio de dias com mínimas negativas em julho aqui no Estado, afinal grande parte das estações que agora são usadas, como a mantida pelo Instituto Nacional de Meteorologia em Quaraí, foi instalada só nos últimos anos, o que se aplica também às estações de monitoramento do setor privado e as particulares que tiveram um importante incremento nos últimos cinco anos. Agora, mesmo inexistindo média histórica, pode se dizer com tranqüilidade que o número de dias com marcas negativas neste julho está muito acima do comumente observado, tanto que as médias das mínimas estão abaixo a muito abaixo das normais históricas no território gaúcho, sobretudo na Metade Sul e fronteira com o Uruguai.




As temperaturas vão ao contrário de todas as hipóteses aquecimentistas.

Fonte : METSUL

domingo, 29 de julho de 2012

Imagens do Tornado em Santa Bárbara

Um violento temporal atingiu por volta das 21h30m do sábado (28) o município de Santa Bárbara do Sul, no Alto Jacuí. Dez residências foram destruídas e outras mais sofreram danos. Os danos estruturais foram severos em alguns pontos. Postes e árvores tombaram com a força do vento. Janelas de casas e prédios foram destroçadas. Vitrines acabaram estilhaçadas. Algumas árvores foram decepadas e outras perderam todas suas folhas. Dez pessoas ficaram feridas. A cidade ficou sem energia elétrica e equipes de emergência da região foram acionadas ante a incapacidade do contigente local atender as ocorrências.     ( METSUL)







O temporal com chuva e vento aconteceu na noite de sábado, atingindo uma faixa de cerca de um quilômetro, com 300 metros de largura. Conforme a Defesa Civil, o vento atingiu o Bairro Loeblein, passou pelo centro da cidade e desviou-se para os bairros Cohab e Operário. 


— Não foi em linha reta, mas num trajeto sinuoso, o que é característica de tornado — conta o coordenador da Defesa Civil Lauro Brito Lopes. 


A meteorologista Maria das Dores de Azevedo acredita que ventos acima de 100 km/h tenham atingido a cidade. Pela rapidez e pelo rastro de destruição deixado, levantando carros, ela concluiu que a cidade foi realmente atingida por um tornado.


—  É uma coluna de ar em formato cônico que gira de forma violenta e potencialmente perigosa, estando em contato com a superficie da Terra — avalia.    (RBS)


                                                                     O LOCAL



sábado, 28 de julho de 2012

Julho de temperatura muito abaixo da média no Estado e Cone Sul

O título da postagem é o mesmo retirado do blog da METSUL, instituto de meteorologia mais respeitado do estado.

Para quem acredita que as temperaturas estão subindo e basta qualquer calorzinho normal do nosso inverno para que afirmem que o aquecimento global é uma realidade.

Creiam: As temperaturas de julho foram inferiores as médias dos últimos anos.

Mapa de anomalia de temperatura comparada à média 2001-2010 mostra que o Centro da América do Sul foi                                             mais frio que a climatologia recente no período entre 11 e 18 de julho

O sábado amanheceu com mínima de 0,2ºC negativo na estação junto ao Parque do Caracol, em Canela. Foi o nono dia em dez em que a temperatura ficou abaixo de zero nas estações monitoradas pela MetSul no Rio Grande do Sul, um indicativo de como este mês de julho está sendo frio no Sul do Brasil e Cone Sul. Neste domingo, pela primeira vez desde a quarta-feira, o Estado não teve temperatura negativa. A menor marca foi registrada em Canela com 1,5ºC.


Outro indicativo deste julho de temperatura muito abaixo da média histórica vem da Argentina. A cidade de Buenos Aires registrou neste domingo a vigésima primeira mínima seguida abaixo de 10ºC na estação oficial do Serviço Meteorológico Nacional (SMN), localizada em Villa Ortúzar. Na história recente, a climatologia do SMN revela que foram anotados 27 dias consecutivos de mínimas inferiores a 10ºC no ano de 2007 (23/6 a 19/7), 25 dias em 2000 (7 a 31/7) e 1988 (23/5 a 16/6), 24 dias em 1991 (2 a 25/7), 1992 (13/7 a 5/8) e 2007 (20/5 a 12/6 e de 21/7 a 13/8), 22 em 1996 (16/6 a 7/7) e 21 dias em 1993 (28/6 a 18/7). Em 2007, ano em que a capital argentina testemunhou sua primeira nevada desde 1918, Buenos Aires teve ainda 109 dias seguidos de mínimas abaixo de 11ºC.


Por pouco a sequência de 20 dias não foi quebrada no sábado porque a mínima em Villa Ortúzar ficou em 9,9ºC, mas com a expectativa de mínimas baixas entre hoje e o final da semana a tendência é que Buenos Aires possa completar, pelo menos, 27 dias consecutivos com marcas de um dígito, repetindo o ocorrido em 2007. Quase todos estes anos de longas sequência de marcas abaixo de 10ºC na capital argentina foram marcados por períodos muito frios também aqui no Rio Grande do Sul.


FONTE: METSUL

terça-feira, 17 de julho de 2012

Maquetes de Célula

Solicitei aos meus alunos da 7ª série da Escola Riachuelo em Capão da Canoa, que fizessem maquetes de célula com suas organelas,  os resultados foram estes:




Os materiais utilizados foram: Isopor, masinhas de modelar, gel, gelatina.

Professores, podem pedir trabalhos utilizando isopor, pois alguns ecochatos acham que o isopor é  poluente, ou material "não sustentável", acho graça disso.

EPS é a sigla internacional do Poliestireno Expandido, produto, no Brasil, conhecido como “Isopor”. Trata-se de um plástico celular rígido, resultante da polimerização do estireno em água, descoberto em 1949 pelos químicos Fritz Stastny e Karl Buchholz nos laboratórios da Basf, na Alemanha.

O material é tido como “amigável” ao meio ambiente, por várias razões.
O isolamento térmico apropriado com EPS contribui para a redução das necessidades energéticas dos prédios, e, portanto, pode reduzir as emissões de CO² em até 50%.

Em segundo lugar, os produtos em EPS não contém e nunca contiveram CFCs ou HCFCs, gases responsáveis pela deterioração gradual da camada de ozônio.

Terceiro, como o material é muito leve, altamente resistente à compressão e a choques, de manipulação fácil e segura, ganhou status de proteção ideal para produtos durante o transporte. Não causa excesso de peso e, com isso, contribui para a redução do consumo de combustível.

O material é inerte e inócuo, o que tornou-o também propício a embalar alimentos.

Por tudo isso, o isopor associou-se à vida contemporânea de modo irreversível. Descartado no meio ambiente, não contamina água, solo ou ar – embora registre-se, como saldo dessa negligência, a poluição visual. 

O que pouca gente sabe é que o isopor é 100% reciclável, desconhecimento que termina por relegar matéria-prima preciosa ao lixo comum.
Portanto algumas pessoas tem que se informar, antes de sair falando bobagem por ai.