quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Enchentes em SC, não é culpa do aquecimento e sim do desmatamento


Com a intensidade das chuvas nos últimos dias, voltam a se repetir os mesmos problemas em nosso estado vizinho, a bela Santa Catarina, não faltam frases como: "É culpa desse aquecimento Global". Mas não é bem assim, pois em 1974 ocorreu em tubarão uma das maiores enchentes que se tem notícia e nem se pensava em aquecimento global.
TUBARÃO 1974


BLUMENAU


Ano Passado? Não, 1980.

Coletânea de fotos de enchentes em Blumenau, todas antes de 1984, de 1980 e década de 70.

Isto sem levar em consideração as várias vezes em que a BR -101 ficou interrompida na ponte sobre o Rio Araranguá.
Falo sobre esse assunto com a autoridade de quem morou em Santa Catarina durante 6 anos e viveu de perto esses problemas.

É um dos estados Brasileiros com maior grau de desmatamento, principalmente em morros. As águas das chuvas encontram o solo sem a proteção das copas das árvores e com o impacto, desprende-se enorme quantidade de material do solo, que é arrastado pelas águas até o leito dos rios, provocando o assoreamento dos mesmos.

Os rios assoreados funcionam da seguinte forma: Imagine um balde onde cabem 5l de água. Encha-o de terra até a metade e tente colocar os mesmos 5l, ele irá transbordar, é isso que ocorre, os rios estão transbordando devido ao assoreamento.

É muito mais fácil culpar o aquecimento Global do que acabar com a corrupção dos órgãos Ambientais fiscalizadores, do que multar fazendeiros que cortam árvores para criar gado, ou arrozeiros que plantam até a beira dos rios sem respeitar as matas ciliares.


Um comentário:

  1. Concordo com o comentário..... a falta de respeito para com a natureza é a maior causa das catástrofes ambientais pela quais estamos passando. O desmatamento nas encostas de morros, só vem agravar a situação quando temos aumento pluviométrico. Quando retiramos a vegetação de um lugar, estamos colaborando para o assoreamento do solo e para a diminuição da capacidade de absorção do mesmo.Adorei...vamos pensar nisso! Ivone - bióloga

    ResponderExcluir