sexta-feira, 20 de agosto de 2010

O Fitoplâncton e o óleo no Golfo


Eu fico surpreso com o pouco caso das entidades defensoras do meio ambiente (principalmente as que são beneficiadas com vultuosas doações) para com o vazamento de óleo no golfo.

Estes que dedicam tanto espaço no combate ao Aquecimento Global, sabem que toda a base da cadeia alimentar dos oceanos é o Fitoplâncton.

O fitoplâncton depende da luz solar para realizar a fotossíntese, continuar vivendo e servindo de alimento a peixes e crustáceos.
Além disso consomem toneladas de CO2, gás diabólico, para os alarmistas.


fitoplâncton (fito = planta, plâncton = vaguear).

São plantas constituídas por uma única célula e que vivem nas águas oceânicas de superfície.
A maior parte destas células vegetais encontram-se à deriva nas águas dos oceanos, mas algumas podem deslocar-se um pouco sozinhas.

O fitoplâncton utiliza a luz solar, o dióxido de carbono (CO2) e a água, para produzir a matéria que consome ou que serve para se auto-construir: é a fotossíntese.
Através deste processo, o fitoplâncton fabrica o oxigénio que é necessário para a sobrevivência dos animais no planeta.
Estes seres unicelulares absorvem tanto dióxido de carbono quanto as plantas terrestres e, assim, ajudam a regular o nosso clima.


O que o vazamento tem a ver com isso?

A mancha de óleo impede a passagem dos raios solares para as profundezas do oceano.

O fitoplâncton é autótrofo, fabrica seu próprio alimento através da fotossíntese, que necessita da luz solar para se realizar.

Esse provavelmente é o maior dano ambiental que esse desastre pode causar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário