segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Viagem

Hoje (dia 30/11/2009), como faço todas as segundas-feiras, dei aula a tarde em Imbé, no litoral, peguei a Free-Way em direção a Santo Antonio, para ir a Taquara, onde trabalho a noite.
A paisagem que presenciei era bela, mas ao mesmo tempo assustadora.

A medida que avançava na estrada, a tarde foi escurecendo, ficou noite as 5h da tarde, o céu ficou tomado de nuvens cumulus nimbus, que são nuvens extremamente densas e carregadas.

Eu já relatei em uma postagem anterior , ( http://betoorcy.blogspot.com/2009/10/tempo-severo-no-rs.html ) sobre uma viajem onde passei por uma tempestade com vento, não foi uma experiência muito agradável, portanto não me empolgava a idéia de passar por outra dessas.

Mas mesmo assim, parei o carro para tirar algumas fotos e mostrar aqui para os amigos:















Fiquei preocupado, fazia muito calor hoje a tarde, estava muito abafado, estavam criadas boas condições para vento forte e até tornado. Ainda mais, com essa instabilidade que tem se registrado no clima gaúcho.















Mas quando sai da Free way e entrei em Santo Antonio em direção a Taquara as nuvens ficaram para traz, restou apenas a beleza das imagens o temporal se dissipou.

Ventos de 120 km/h na Fronteira Oeste

Imagens de satélite mostram grande quantidade de nuvens e precipitações na Região Noroeste
Esta madrugada a população de São Borja foi acordada entre 2h e 3h, pelo barulho de um forte vento, calculado em 120 km/h, pelos estragos que fez.


De acordo com o sargento dos bombeiros Élvio Roque Viana, a corporação passou a madrugada trabalhando: -" Tivemos árvores caídas, famílias tiveram de ser removidas, casas destelhadas. Os bombeiros que estavam de folga tiveram de ser chamados para ajudar".


Em São Borja, houve queda de árvores na BR-285 e a rodovia está bloqueada em alguns trechos. Bombeiros de Santa Rosa registram estragos no município de Santo Cristo, que está sem luz. A igreja, algumas casas e prédios públicos foram destelhados. O vento também derrubou postes e árvores.


Os ventos são causados por uma frente fria que avança sobre o Estado.


Não se descarta a possibilidade da ter se formado um tornado na região.


Fotos do Vendaval de Santo Cristo 30/11/2009








Fotos de Livramento -Temporal 30/11



Fotos São Borja-Temporal 30/11






Fontes (fotos): Zero Hora e Rádio Gaucha, Metsul

sábado, 28 de novembro de 2009

Nada de novo no clima Gaúcho

Não adiantam argumentos sobre mudanças climáticas, contra os fatos.

Se estudarmos o histórico do clima veremos que esses fenômenos são cíclicos, acontecem de tempos em tempos.

Temos que cuidar dos rios e do saneamento das cidades, para que o seu crescimento não provoque aumento das consequencias desses fenômenos meteorológicos.


VEJA NOTÍCIA PUBLICADA NO CORREIO DO POVO EM 25/11/1909



E ESSA OUTRA, PUBLICADA NO MESMO JORNAL EM 24/11/1909



Ao invés de cuidar do meio ambiente é mais fácil falar: "Isso nunca aconteceu antes".

Fontes: As notícias são do Correio do Povo e eu extrai do Site da Metsul.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Reciclagem do Óleo de cozinha


Pois olha tchê, hoje eu dei uma aula que valeu a pena.

Em Imbé, cidade do litoral gaúcho, sou monitor em um curso de reciclagem de resíduos sólidos.



Lá existe uma ONG que recicla óleo de cozinha, transformando-o em sabão, pois nessa cidade existe muitos quiosques a beira-mar, no verão, cada quiosque joga fora em torno de 50L de óleo por semana.
Hoje levei meus alunos a esta ONG para aprenderem o processo.


Este óleo era enterrado na areia da praia, um desastre para o meio ambiente. 1L de óleo pode contaminar 10.000L de água. Depois, devido as reclamações de veranistas, passaram a enterrar o óleo em terrenos baldios.

Galões onde o óleo é armazenado

Lançado diretamente no solo ou em lixões, vindo com a água dos rios, essa substância se acumula nas margens, impermeabizando o solo, a água não consegue se infiltrar no solo, agravando assim o problemas com as enchentes.

Agora, essa ONG recolhe todo esse óleo e transforma em sabão, que é vendido para a comunidade por um preço acessível R$ 0,50 a barra.
Valeu mesmo, os alunos ficaram muito empolgados para produzir em casa seu próprio sabão, hoje foi um dia daqueles em que a gente sente que conseguiu contribuir com algo para o bem do meio ambiente.

Para quem se interessar e tiver tempo, ai vai a receita:

INGREDIENTES:

- 4 L DE ÓLEO
- 2 l DE ÁGUA
- 1 Kg DE SODA
- 1 COPO DE SABÃO EM PÓ
- 1 COPO DE ÁGUA SANITÁRIA


PREPARO:

- DISSOLVA O SABÃO EM PÓ EM 1/2 L DE ÁGUA QUENTE (RESERVE)
- SEPARADAMENTE DISSOLVA A SODA CÁUSTICA EM 1,5L DE ÁGUA QUENTE, EM RECIPIENTE DE PLÁSTICO.
- MISTURE O ÓLEO E A ÁGUA SANITÁRIA EM UM TERCEIRO RECIPIENTE.

- POR FIM, MISTURE AS OUTRAS DUAS MISTURA AO ÓLEO E ÁGUA SANITÁRIA.

- MEXA POR MAIS OU MENOS 30MIN.

- COLOQUE O CONTEÚDO EM FORMAS DE PLÁSTICO E DEIXE SECAR POR 2 DIAS.

ESSA RECEITA RENDE DUAS DESSAS BANDEJAS.





SABÃO PRONTO
Se for fazer:
  • Use luvas
  • Use máscara quando inalar a soda
  • Trabalhe somente com recipientes plásticos
  • E boa sorte, a natureza agradece.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

A Tempestade na fronteira não veio, mas ventou forte em Rio Grande


O Sistema Conectivo de Mesoescala que, durante a madrugada deixou em alerta a fronteira com a argentina, perdeu força no início da manhã e para nossa sorte não provocou danos ao Rio Grande do Sul.

Mas o Sul do estado foi atingido por outro vendaval, ventos em torno de 100km/h destelharam poucas casas e derrubaram 5 árvores na praia do cassino e mais 3 em Rio Grande.



Em Arroio Grande, a chuva forte deixou a cidade sem luz. Segundo a Brigada Militar, árvores e postes caíram na cidade. A Polícia Rodoviária Federal deslocou uma equipe para retirar uma árvore caída no km 607 da BR-116. Apesar do mau tempo, não há registro de estragos nos outros municípios da região.
Com a alta temperatura o ar quente tende a subir, em choque com as frentes frias vindas do sul que forçam o ar a descer. Esse movimento provoca o deslocamento de massas de ar quano maior a diferença maior o movimento. Logo enquanto continuar essa condição climática em noso estado, existe o risco de novos vendavais.

Estado em Alerta na Fronteira Oeste

A imagem de satélite mostra um CCM - Complexo Conectivo de Mesoescala, se deslocando da Argentina rumo ao Estado do Rio Grande do Sul. Esse complexo traz consigo nuvens muito carregadas chuvas torrenciais e vento forte.
Estes sistemas, típicos da primavera e do verão, tendem a se formar no período noturno no Norte da Argentina, sob uma atmosfera quente e úmida, deslocando-se para o Brasil, Paraguai e o Uruguai, dependendo do caso. No caso desta madrugada, a evolução se dá em direção ao Rio Grande do Sul e ao Uruguai. É iminente a chegada da instabilidade à região de Uruguaiana e Barra do Quaraí, onde a temperatura às duas da manhã era de 27ºC. A madrugada, aliás, é muito quente .
Fonte: Tempo e Clima-Correio do Povo

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Tornado atingiu noroeste gaúcho ontem a tarde



Esta foto é apenas ilustrativa, não foi esse tornado que atingiu o RS

A região Sul do Brasil é considerada o 2º maior corredor de tornados do mundo, perdendo apenas para América Central e sul dos Estados Unidos, estima-se que 1% dos temporais no sul do país venham acompanhados de tornados.

Tornado é um redemoinho de ventos que gira em alta velocidade, ele provém de tempestades muito intensas e causam muita destruição por onde passa o vértice do cone.

Segundo a equipe de meteorologia da RBS, a grande umidade que se encontra no Estado do Rio Grande do sul está causando graves temporais ao longo desse mês, logo o registro de 1 tornado no mês de novembro apenas é bastante razoável.

Fenômeno normal, ainda mais em ano de el ninho.

Fotos da destruição causada pelo tornado da tarde de 25/11:


Justificar Três de Maio

Em Três de Maio as imagens da destruição, apesar de não haver estações meteorologicas de superfície, nos leva a estimar que os ventos atingiram mais de 120 km/h. E da forma que a destruição se apresenta nos levar a avaliar que um tornado atingiu o noroeste provocando estragos na região de Progresso.

Progresso - Noroeste Gaúcho

A região atingida

Mais sobre o escândalo dos e-mails e a fraude do Aquecimento Global

Muitos lucram com o Aquecimento Global, até o desconhecido cantor Franco Barbosa, claro que All Gore e sua turma lucram bem mais....




Quantos interesses estavam em jogo, para fazer com que cientistas arriscassem seu nome e ficassem a mercê da desmoralização como esta acontecendo.

A Indústria do aquecimento global é enorme, verbas gorvernamentais sustentam ONG'S e empresas de soluções climáticas como a de All Gore.

Economia de países em desenvolvimento foram afetadas pelas metas do protocolo de Kyoto.

Muitos empregos, ONG'S, empresas, cientistas são sustentados por essas indústria.



Muitos Ambientalistas gostam mesmo é de defender essa árvore.


Que fique bem claro, sou professor sempre defendi o Meio Ambiente, mas acho que hoje os problemas que estamos vivendo se devem a poluição dos rios, que estão transbordando por estarem assoreados por sedimentos carregados pelas chuvas até seus leitos.

Com o desmatamento o solo fica exposto à força das chuvas que remove a terra e leva os sedimentos pra os rios.

Bueiros entupidos por poluição nas cidades, onde falta saneamento básico.

Vilas irregulares que brotam de todos os lados nas grandes cidades.

Bom. Mas é mais fácil e mais barato culpar o CO2 e o aquecimento Global.

Mas nosso assunto é o escândalo dos e-mails. Leia com atenção o post abaixo.


Fonte: Post de Reinaldo Azevedo - Revista Veja:

A história circula já faz alguns dias, mas batia num muro de gelo (ooops!) na imprensa brasileira. Havia me destinado a falar hoje a respeito e esbocei tratar do assunto no Programa do , mas aí a conversa tomou outro rumo. Bem, finalmente começa a circular entre nós, embora já venha com as tintas da desqualificação.
Mas de que diabos estou falando?

Hackers invadiram os computadores da Universidade de East Anglia, na Inglaterra, e piratearam nada menos de 6 mil e-mails trocados entre cientistas especializados em clima. East Anglia é um dos mais respeitados centros de climatologia do mundo, e seus estudos são um dos pilares que sustentam a tese de que o aquecimento global é provocado pela ação do homem.

Esse negócio de piratear dados de onde quer que seja não é bonito. Que os responsáveis sejam punidos etc etc etc. Mas o fato é que alguns dados que vieram a público parecem indicar que os especialistas em clima que sustentam a tese antropogênica para o aquecimento global são chegaditos a uma mentira e a uma propaganda enganosa. Há mensagens que sugerem manipulação de dados. A história, em detalhes, com vários trechos dos e-mails pirateados, está no blog de James Delingpole, do Telegraph.
Num deles, Phil Jones, chefão de East Anglia, diz a seus pares, nos Estados Unidos, que tinha recorrido aos mesmos "truques" de Michael Mann, da Universidade da Pensilvânia, para "esconder o declínio" de uma série de temperaturas num período de 20 anos, de 1961 a 1981. No original:.

I've just completed Mike's Nature trick of adding in the real temps to each series for the last 20 years (ie from 1981 onwards) amd [sic] from 1961 for Keith's to hide the decline.

Phil Jones se defende e diz que, quando os cientistas da área empregam a palavra "truque", eles não querem dizer "truque". Entendo... E que não falava de temperatura, mas da copa das árvores... Há outros e-mails que sugerem supressão de informação e debate sobre como tornar o aquecimento algo mais convincente, mais "quente", entendem?, mobilizando mais as pessoas.

Os e-mails pirateados foram hospedados num servidor da Rússia, e não se tem idéia da origem da invasão. A direção de East Anglia já confirmou que são verdadeiros. Mas, é óbvio, nega que revelem manipulação. Atribui-se tudo à gritaria dos "céticos" - que, aliás, são tratados com bem pouca lhaneza nas mensagens. Da vontade de dar uns sopapos nos adversários à alegria porque um dos inimigos morreu - John Daly -, a ciência do aquecimento global demonstra que quente, mesmo, naquele universo, é o gosto pela fofoca e pela desqualificação de tudo o que não concorra para a tese do grupo.
Já escrevi bastante sobre aquecimento - e meu novo livro traz frases a respeito. Não sou especialista, é óbvio. O que tenho feito é sugerir aos leitores que busquem ouvir o contraditório. Afinal, não se deve partir do princípio de que alguns querem salvar o mundo, e outros, destruí-lo. Os e-mails são provas irrefutáveis de que há manipulação? Não! Mas que cheiram mal, ah, isso é inegável. Esse negócio de que "truque", lá entre eles, não é "truque".


Bem... Com efeito, "truque" é a versão benevolente de "trick", também "embuste", "fraude" e coisas do paradigma.

Sabem o que é mais interessante? Há um troço chamado Oscilação Decadal do Pacífico (PDO, na sigla em inglês). Não tenho como resumir. Está devidamente explicado aqui [site da MetSul]. Em suma, a temperatura do Pacífico tem grande influência na temperatura do planeta. Justamente entre 1961 e 1981, período a que se refere o tal e-mail, o Pacífico havia esfriado, assim como havia esquentado entre 1920 e 1940, depois esfriou de novo...
E como isso poderia ter sido evitado??? Bem, isso não poderia ter sido evitado ainda que os seres humanos renunciassem à sua cultura e voltassem à fase da coleta - e, suponho, da antropofagia...Ai os bobalhões logo dizem: "Ah, você quer poluir tudo!!!" Não! Quero é que parem com o papo terrorista, escatológico, para que se estabeleçam metas realistas".

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Escândalo - Descoberta a farsa do Aquecimento Global


Para manter seus privilégios e continuar com o grande negócio do Aquecimento Global, cientistas vem manipulando dados a anos, hackers descobriram ao capturar emails.
A imprensa nacional, aos poucos, começa a dar espaço em seus noticiários para o tema que vem dominando a páginas de ciência nos Estados Unidos e na Europa, o chamado escândalo Climategate. Zero Hora publica em sua editoria de mundo, que tem entre os seus editores a responsável pelo blog de meio ambiente do ClicRBS, a notícia como uma "ajuda dos hackers aos céticos". A matéria menciona a palavra trick (truque) usada por Phil Jones em uma de suas mensagens, mas omite que na mesma frase o cientista fala em "esconder" numa série de temperaturas "o declínio".


All Gore-Propagador da Teoria do Aquecimento global e sócio da maior empresa de soluções climáticas do mundo.


Leia a matéria de Zero Hora:

A menos de duas semanas do início da conferência de Copenhague sobre mudanças climáticas, considerada um encontro vital para o sucesso da luta contra o aquecimento global, uma ação atribuída a hackers esquentou os ânimos de todos os envolvidos nas discussões. Cópias de aproximadamente 3 mil e-mails trocados entre cientistas que estudam o aumento da temperatura global foram roubadas dos servidores da Unidade de Investigação sobre o Clima da Universidade de East Anglia, na Grã-Bretanha, e divulgadas na internet. Parte dos textos dá a entender - ao menos na interpretação dos chamados "céticos do aquecimento global" - que a importância do assunto estaria sendo exagerada. Haveria, inclusive, manipulação de dados.

Os e-mails divulgados são comunicações datadas de 1996 a 12 de novembro de 2009 entre alguns dos mais conhecidos cientistas da área. Eles discutem a qualidade do trabalho de colegas, em termos por vezes não muito simpáticos, e também os argumentos e ações dos "céticos", também em termos não propriamente elogiosos. Apareceram pela primeira vez em um site russo e depois em um blog dos céticos, chamado The Air Vent (http://noconsensus.wordpress.com), mas espalharam-se rapidamente pela internet. Muitos dos cientistas cujos e-mails foram roubados escrevem também no site RealClimate.org, que confirmou o roubo das informações.

O material inclui rascunhos de artigos científicos e números brutos, além de comentários sobre como apresentar informações - e há um, especialmente, que tem sido usado como "prova" de que os cientistas manipulam dados para "fazer o mundo acreditar em uma crise climática". Trata-se de uma mensagem em que um cientista diz que acabou de fazer "o truque" com os dados que outro tinha usado em um gráfico publicado na revista Nature. No site do RealClimate, no entanto, os cientistas dizem que o termo foi mal interpretado - significaria apenas uma forma de apresentar o problema, não uma fraude.

A polêmica dos e-mails coincidiu com a divulgação, ontem, de um estudo da Organização Meteorológica Mundial segundo o qual a concentração na atmosfera dos gases que supostamente causariam o aquecimento global - entre eles o dióxido de carbono - atingiu um recorde em 2008. Conforme a pesquisa, a presença do CO2 era de 385,2 partes por milhão no ano passado, um aumento de duas partes por milhão em relação a 2007.

Já o repórter Ricardo Mioto apresentou o caso com mais detalhes na Folha de São Paulo desta terça-feira, também apresentando as versões dos dois lados do debate, mas levando ao leitor muito mais do conteúdo dos e-mails que chocam a comunidade científica:
Hackers tiveram acesso a pouco mais de mil e-mails trocados desde 1996 por alguns dos principais climatologistas ao redor do mundo e colocaram tudo na internet. Céticos do aquecimento global dizem ter encontrado ali provas de que os cientistas falsificaram deliberadamente pesquisas. Os cientistas rebatem dizendo que os céticos estão vendo uma conspiração onde não há nada.

Os invasores conseguiram isso ao acessar os servidores da Universidade de East Anglia, na Inglaterra, que é um centro de referência em estudo do clima. A frase que vem causando mais confusão está em mensagem enviada por um professor de lá, o climatologista Phil Jones, a colegas nos EUA.Ele dizia que tinha usado o mesmo "truque" que Michael Mann, geofísico da Universidade Estadual da Pensilvânia, para "esconder o declínio" em uma série de temperaturas.

No site Real Climate (www.realclimate.org), os cientistas escreveram para se defender. Dizem que usam "com frequência o termo truque para se referir a um bom jeito de lidar com um problema, e não para dizer que algo é secreto". Sobre "esconder o declínio", eles dizem que Jones se referia a um problema científico específico -as medições do tamanho dos anéis das árvores- e que escolheu mal as palavras.

As mensagens tinham caráter bastante pessoal. Por isso, é possível encontrar mensagens xingando céticos do clima ("idiotas") e até comemorando a morte de um deles (o australiano John Daly, em 2004). Um climatologista (Ben Santer, do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, nos EUA) diz que se encontrasse o cético do aquecimento global Pat Michaels (climatologista da Universidade de Virgínia) ficaria "tentado a bater" nele. Circulou também uma montagem amadora de céticos do clima famosos em uma placa de gelo, dizendo que o aquecimento global é uma fraude. Os autores dos e-mails não negam que eles sejam verdadeiros. Mas dizem que o fato de serem elegantes ou não em conversas pessoais não serve como crítica aos seus trabalhos.

"A gravidade não é uma teoria útil porque Newton era uma pessoa legal", dizem. (Notavelmente, Isaac Newton não foi um sujeito muito carismático.) "É tentador apontar e dizer que as pessoas não deviam abrir tanto seus pensamentos. Mas quem ficaria feliz se seus e-mails virassem públicos?" De qualquer forma, a maior parte das conversas não passa de discussões técnicas, que podem soar muito chatas para quem não é climatologista. Houve controvérsia em torno de mensagens em que se debatia como divulgar ao público evidências de que o aquecimento global é causado por humanos. Eles discutiam a possibilidade de escolher modos de elaborar os trabalhos para que o aquecimento impressionasse. Mas nenhum e-mail mencionava manipulação de dados.

Corajoso foi o jornal norte-americano Wall Street Journal, dedicado à economia e finanças, que em sua página editorial assinala sobre o escândalos dos e-mails do clima:

"Entretanto, agora temos centenas de e-mails que dão toda a aparência de um testemunho de esforços coordenados por célebres climatologistas para adequar os seus dados as suas conclusões enquanto tentam silenciar e desacreditar seus críticos. No departamento de verdades inconvenientes, este certamente merece uma atenção maior da mídia, o Congresso dos Estados Unidos e órgãos de investigação".

Fontes:Metsul e Zero Hora

Últimas sobre a Gripe Suína


Com a chegada do calor, os casos de Gripe suína diminuíram muito, então quase não se fala mais nesse assunto nos meios de comunicação, pois só se preocupam com a audiência, que traz anunciantes, que trazem dinheiro.

Mas os órgãos responsáveis pela saúde pública não devem esquece-lo. A Gripe continua matando nos países do hemisfério norte que vivem o inverno com baixas temperaturas.

De acordo com as últimas notícias já foram detectadas mutações mais graves desse vírus na Europa e Ásia, não podemos ser pegos de surpresa no próximo inverno.

A gripe suína matou muito mais gente no Brasil em 2009, do que todos os desastres climáticos dos últimos 10 anos no Brasil, então: Olhos abertos, o inverno vai chegar.



Notícias sobre o H1N1 dos últimos dias, site TERRA:














sábado, 21 de novembro de 2009

Imagem de satélite da tempestade do dia 19/11

A fenômeno climático de quinta-feira passada foi de tamanha magnitude que chamou a atenção da comunidade acadêmica americana.
O CIMSS (Cooperative Institute for Meteorological Satellite Studies), da Universidade de Wisconsin, um dos principais centros de referência no mundo em Meteorologia por satélite, divulgou em sua página uma sequência de imagens de satélite mostrando a origem da formação do temporal até sua chegada a Porto Alegre.


A imagem veio acompanhada na seguinte análise, que baseou-se inclusive nos dados da METSUL em relação aos seus efeitos:

A Análise:
"Imagens do canal infravermelho do satélite GOES-10 mostra topos de nuvens com temperatura muito baixa associadas a um Complexo Convectivo de Mesoescala (CCM) que se formou no Norte da Argentina e se deslocou pelo Uruguai para o Sul do Brasil no dia 19 de novembro. O CCM apresentou valores de temperatura no brilho do canal infravermelho atipicamente baixos que chegaram a -89ºC às 4h58m UTC (2h58m no horário de verão brasileiro). Ademais, no começo da animação podem ser vistas várias assinaturas em "V" na imagem infravermelho realçada pelos topos das nuvens, assinaturas essas que sinalizam tempestades com convecção severa com alto potencial para produzir vento destrutivo, granizo grande e tornados. Houve relatos na mídia de um tornado e granizo em partes do Uruguai, e, de acordo com o Blog da MetSul, este CCM produziu vento muito intenso (132 km/h) e chuva intensa (70 milímetros em duas horas) à medida que a tempestade avançou para a região do Rio Grande do Sul no Sul do Brasil".

Como podemos observar a análise da causa do temporal é completamente diferente das que foram veiculadas nos meios de comunicação brasileiros, inclusive neste blog, que se abasteceu dessas informações.

Quer dizer que:

- Não foi um ciclone extra tropical;

- nem a chegada de uma frente fria associada a um centro de baixa pressão profundo em superfície.

- e sim um CCM (Complexo Conetivo de Mesoescala) associado a topos de nuvens de temperatura muito baixa, formado no norte da argentina passando pelo uruguai e chegando ao Rio Grande do Sul na tarde de quinta-feira dia 19 de novembro.


sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Onda Gigante em Florianópolis durante a Tempestade


Uma "onda gigante" atingiu a praia de pântano do sul durante o vendaval de quinta-feira, alguns sites sensacionalistas estão relacionando a um Tsunami, não tem nenhuma relação, pois um Tsunami deriva de um movimento de placas tectônicas, enquanto essa onda foi resultado de uma ressaca aliada a força dos ventos no oceano.
De acordo com os moradores, o mar recuou rapidamente e, em seguida, a onda se formou e atingiu a costa. Com aproximadamente 5 m de altura, ela arrastou tudo o que estava na praia. Barcos chegaram a ser arremessados contra restaurantes e carros. Um deles chegou a parar no telhado de uma das casas. Um pescador sofreu ferimentos leves.

Após a onda, as embarcações foram recolhidas às pressas por voluntários e populares e colocadas no meio da principal rua do bairro. Por volta das 19h, os moradores começaram a limpar restaurantes e tentavam recolher os destroços. Pelo menos dez barcos de pescadores locais foram destruídos ou danificados pela onda. Quatro carros foram danificados e um deles, que chegou a ser arrastado pelo mar e atingido por uma embarcação, permanecia na areia à espera de um guincho. Pela praia, o rastro de entulhos, pedras e destroços das cadeiras dos restaurantes.
Zero Hora:
Oceanógrafo diz que chance de onda que atingiu Florianópolis se repetir é muito pequena
Fenômeno assustou moradores e turistas do Pântano do Sul

("Atualizada em 20/11/2009 às 17h48min");

A onda que assustou quem estava na praia do Pântano do Sul, em Florianópolis, na tarde de quinta-feira, não deve provocar pânico tão cedo aos moradores e visitantes do Sul da Ilha de Santa Catarina. De acordo com o oceanógrafo da Epagri Carlos Eduardo Salles de Araújo, esse foi um fenômeno pouco comum na capital catarinense, embora esteja ficando mais frequente em diversas regiões do mundo. A onda de pelo menos três metros de altura avançou sobre a areia, arrastando canoas e carros que estavam na orla. Carlos explica que há mais probabilidade dessa onda se formar onde há presença de ventos fortes, o que deixa o mar agitado. O oceanógrafo a caracteriza como uma freak wave (onda esquisita). — Ela foge dos padrões. A onda esquisita rouba energia das outras ondas e vai ganhando força. Por fim, ela cresce em altura e fica íngreme, como um paredão — afirma Carlos. O oceanógrafo diz que, dependendo da intensidade, o fenômeno pode chegar a destruir navios. Ele também salienta que há chances da freak wave se formar em dias de ressaca e vento forte. — Nesses casos, vale se prevenir e evitar ficar muito próximo do mar ou deixar veículos na praia — recomenda Carlos.
Vídeo feito com celular

The Day After

O dia seguinte ao vendaval de 19 de novembro, que causou grandes estragos no estado do Rio Grande do Sul, foi de contabilizar os prejuízos e reconstruir o que foi destruído.


Peguei o carro, dei algumas voltas pelo centro de Gravataí, foi suficiente para constatar a força dos ventos de ontem, com minha camara do celular fiz alguns registros:


-Poste caído na rua lateral ao cemitério, rua da Escola Polivalente




- Galhos quebrados sobre os fios da rede elétrica

No final da manhã de hoje me dirigi ao Imbé, litoral norte gaúcho, pois trabalho a tarde como professor neste Município, logo na FREE-WAY notei muitas árvores e placas caídas, não parei para fotografar, pois estava com meu horário apertado.

Mas terminada a aula peguei a camera e sai para ver os efeitos do vento. Registrei os seguintes estragos:

-Placa arrancada ao lado de casa na Av Paraguassú em Imbé:


-Muitos galhos quebrados



- Casa e telhado destruídos



- Telhado de bar destruído na beira da praia em Mariluz



-Árvore arrancada na Av. Tramandai em Imbé



-Telhado de bar arrancado em Mariluz


Realmente o fenômeno metereológico foi de proporções gigantescas, vários fatores aconteceram simultâneamente para ocorrer esse raro evento climático, muita umidade, el ninho, frente fria vinda do sul e ciclone extratropical. Mas isso não representa nenhuma evidência de mudança climática, pois eventos como esse são raros, mas já aconteceram no passado.

Hoje, existem casas e até bairros onde a 20 anos atrás não havia nada; claro, mais casas serão destelhadas, a rede elétrica abastece milhares de casas a mais que a 20 anos, mais pessoas ficarão sem luz, com a internet acompanhando em tempo real, minuto a minuto, esses eventos que antes poucos ficavam sabendo. Qualquer pessoa tem um celular com camera fotográfica para registrar os efeitos do clima, a 20 anos tinha que se carregar máquina, filme e ainda mandar revelar.
É muita diferença a ser levada em consideração.